quinta-feira, 8 de março de 2012

Acidentes Espaciais

  • Challenger


 Foi um ônibus espacial da NASA, o segundo a ser fabricado após o Columbia. Foi pela primeira vez ao espaço em 4 de abril de 1983.
 Em 28 de janeiro de 1986, na STS-51-L, sua décima missão, um defeito nos tanques de combustível causou sua explosão segundos após seu lançamento, causando a morte de todos os astronautas que ocupavam a nave, inclusive a professora Christa McAuliffe, a primeira civil a participar de um voo espacial.

Explosão da Challenger  segundos após a decolagem, em 28 de janeiro de 1986.



  • Columbia
 Foi um ônibus espacial construído pelos EUA baseado no protótipo Enterprise.
 Em 1º de fevereiro de 2003, durante o regresso da sua 28ª missão, o Columbia desapareceu dos radares a grande altitude, quando sobrevoava o estado estadunidense do Texas. Um pedaço de espuma que se soltou durante a decolagem danificou a proteção de cerâmica da asa esquerda, provocando uma fissura. Esse problema não foi detectado durante a decolagem e nem durante a missão. 
 Na reentrada na atmosfera, o calor provocado pela fricção com a mesma aumentou o tamanho da fissura, destruindo a asa e consequentemente a nave inteira, matando todos os sete tripulantes.

Columbia explode na sua reentrada na atmosfera terrestre, em 1º de fevereiro de 2003.


Tempestade solar chega à Terra hoje (08/03/2012) e pode afetar equipamentos

Uma forte tempestade geomagnética originária do Sol deve chegar nesta quinta-feira (8) à Terra. O fenômeno pode afetar redes elétricas, transportes aéreos e aparelhos de GPS e de comunicações, segundo especialistas norte-americanos.



A tempestade - uma gigantesca nuvem de partículas expelidas pelo Sol a cerca de 7,2 milhões de km/h - foi provocada por duas erupções solares, de acordo com os cientistas.
Essa é provavelmente a mais violenta tempestade solar em quase seis anos, superando uma semelhante no final de janeiro, segundo Joseph Kunches, um meteorologista espacial que trabalha na Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos (NOAA).
A perturbação solar, segundo Kunches, tem três estágios, dos quais dois já estão afetando a Terra.
Imagem fornecida pela Nasa mostra ‘labareda’ solar já em direção à Terra.  (Foto: Nasa / AP Photo)
Imagem fornecida pela Nasa mostra ‘labareda’ solar já em direção à Terra. (Foto: Nasa / AP Photo

Primeiro, duas labaredas solares, movendo-se quase à velocidade da luz, chegaram à Terra, na noite de terça-feira (6). Elas podem afetar transmissões de rádio.
Em seguida, a radiação solar atingiu, na quarta-feira (7), o campo magnético terrestre, com possível impacto sobre o tráfego aéreo, especialmente perto dos polos. Satélites e astronautas em caminhadas espaciais também estão sujeitos aos efeitos dessa fase, que pode durar vários dias.
Finalmente, a nuvem de plasma emitida pela ejeção de massa coronal - que é basicamente um pedaço grande da atmosfera solar - deve chegar na manhã de quinta à Terra.
Essa fase pode afetar o funcionamento de redes elétricas, satélites, GPSs de alta precisão usados em operações petrolíferas e agrícolas, segundo os cientistas.
O GPS comum, como o dos carros, não deve ser afetado, segundo Doug Biesiecker, da NOAA.
Kunches disse que o componente geomagnético da tempestade pode se antecipar um pouco por ocorrer logo depois de uma tempestade anterior, que saiu do Sol no domingo (4) e está atualmente castigando a magnetosfera terrestre. “Quando você já teve uma tempestade de ejeção de massa coronal, às vezes a próxima tempestade de ejeção de massa coronal é mais rápida em chegar aqui”, disse Kunches.
As tempestades podem produzir auroras polares. No Hemisfério Norte, o fenômeno poderia ser visto até em latitudes médias, como em Nova York.
Cientistas dizem que o Sol está numa fase de atividade ascendente no seu ciclo de 11 anos, e o pico está previsto para 2012.