Júpiter

  Júpiter é enorme; sua massa é 2,5 vezes a massa de todos os outros planetas combinados. Não tem superfície sólida e ao olhá-lo o que vemos é a camada superior de sua densa atmosfera. Envolto por um fino e pouco luminoso sistema de anéis, tem a maior família de satélites. A rápida rotação de Júpiter e o calor que vem de seu interior perturbam a atmosfera, gerando furacões e tempestades violentas que podem durar anos. Júpiter é coberto por nuvens compostos por cristais de amônia e possivelmente hidrosulfeto de amônia. As nuvens estão localizadas na tropopausa, e estão organizadas em bandas de diferente latitudes, conhecidas como regiões tropicais. Estas estão sub-divididas em "faixas" de cor clara, e "cinturões" de cor escura. As interações destas diferentes bandas e seus respectivos padrões de circulamento atmosférico criam zonas nos quais tempestades e turbulências atmosféricas ocorrem. Ventos de até 360 km/h são comuns em tais regiões.
  O traço maior e mais óbvio de Júpiter é a Grande Mancha Vermelha. Essa vasta tempestade, observada há cerca de 300 anos, muda sempre de tamanho, forma e cor. É maior que a Terra, e já teve até 3 vezes o tamanho dela. Esse gigante de gás é gélido em seu exterior, porém tem uma temperatura de 30 mil graus em seu núcleo. Possui 142,984 km de diâmetro. Sua distância média do Sol é de 778,4 milhões km. Possui um período orbital de 11,86 anos terrestres, e rotação de 9,93 horas. Sua temperatura na coberta de nuvens é de -110 graus. Possui 63 satélites – sendo 4 galileanos, observados pelo astrônomo Galileu Galilei em 1610, os maiores satélites de Júpiter: Ganimedes, Io, Calisto e Europa.